TRANS. DO PROGRAMA ENTARDECER NA FRONTEIRA DIRETO PECUARIA EM 19/11/2009

TRANS.  DO  PROGRAMA ENTARDECER NA FRONTEIRA DIRETO  PECUARIA EM  19/11/2009
ALDO VARGAS

TRADIÇÃO E CULTURA

teixeirinha

Loading...

gildo

Loading...

SANTANA LIVRAMENTO MINHA TERRA AMADA.

SANTANA LIVRAMENTO MINHA TERRA  AMADA.

Pesquisar este blog

CAPITAL GAUCHA PORTO ALEGRE

CAPITAL GAUCHA  PORTO ALEGRE

ESTADIO BEIRA RIO PORTO ALEGRE

ESTADIO BEIRA RIO PORTO ALEGRE

TROPEIRO VELHO

  • TROPEIRO VELHO

TRADIÇÃO E CULTURA

A VOCE CARO VISITANTE E UM PRAZER TER AQUI VISITANDO ESTE BLOG DESTE GAÚCHO, QUE NÃO TEM LADO PARA CHEGAR, GOSTO DE UMA AMIZADE E UM BOA CHARLA, TRATO TODOS COM RESPEITO PARA SER RESPEITADO MAS SE FOR PRECISO QUEBRO O CHAPEU NA TESTA PRA DEFENDER UM AMIGO AGARRO UM TIGRE A UNHA. AGRADEÇO A TODOS QUE DEIXAM SEU RECADO, POSTADO NESTE BLOG.

GALPÃO GAUCHO

GALPÃO  GAUCHO

A BANDEIRA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL, TE AMO MEU RIO GRANDE

A  BANDEIRA  DO  ESTADO  DO  RIO GRANDE  DO  SUL,  TE  AMO  MEU  RIO  GRANDE

quarta-feira, 18 de janeiro de 2012

DELEGADO PEDIRÁ A JUSTIÇA PARA LIBERAR POLICIAIS DO PARANA. PR

Delegado pedirá à Justiça para liberar policiais do PR
Encerrou nessa madrugada a reconstituição do tiroteio em Gravataí


Após realizar a reconstituição do tiroteio que ocasionou a morte do sargento gaúcho, Ariel da Silva, o titular da Delegacia de Feitos Especiais, delegado Paulo Rogério Grillo, vai relatar à Justiça que os policiais civis paranaenses não são mais necessários para a investigação. A prisão preventiva do trio que pertence ao grupo Tático Integrado de Grupos de Repressão Especial (Tigre) do Paraná, responsável por investigar sequestros, encerra-se na quinta-feira.

O delegado pretende concluir o inquérito até o final do mês. No entanto, ele ainda não decidiu se vai indiciar ou não os policiais paranaenses. A perícia irá produzir um documento que será anexado ao inquérito. O material deve ser confrontado com as versões encontradas na perícia inicial e, a partir deste ponto, a Polícia Civil começa tomar decisões.

Grillo relatou que a submetralhadora calibre 40 foi usada cinco vezes pelos paranaenses. Quatro disparos atingiram o sargento. Da pistola calibre 40, que pertencia ao sargento da Brigada Militar, partiram dois disparos. Um dos tiros atingiu o veículo Renault Logan que os policiais civis utilizavam. Os cartuchos dos dois armamentos foram encontrados pela perícia no local.

Foram levado para o local o veículo utilizado pelos agentes do Paraná e a motocicleta utilizada pelo policial militar (PM). O vidro traseiro do carro, que foi atingido por disparos realizados pelos civis, continuava quebrado. Em um primeiro momento, foi analisada a distância entre os veículos.

Em seguida, os policiais do Paraná foram levados até o local, separadamente, para dar suas versões. Além do trio, outras seis testemunhas foram ouvidas durante os trabalhos: um casal que estava numa residência atingida por um disparo; outro casal que passava de carro pelo local; um taxista que estava estacionado a cerca de 15 metros do local, mas dormia na hora do tiroteio; e o vigia de um posto de combustíveis localizado nas proximidades. De acordo com o delegado Grillo, o testemunho mais significativo é o do taxista.

Como resultados preliminares dos trabalhos, o delegado Grillo relatou que um dos tiros realizados pelo sargento foi de baixo para cima. Os peritos supõem que foi disparado quando o PM estava caído. Conforme o titular da investigação, o oficial da BM tinha saído de um jantar em uma madeireira próxima e passado em casa para deixar comida para a esposa. Na volta, suspeitou do veículo, com placas do Paraná, e fez a abordagem. Grillo não se pronunciou sobre a ação – se correta ou não. O delegado confirmou que o policial tinha 13,1 decigramas de álcool por litro de sangue no corpo. Para dirigir, o máximo tolerado por lei é o consumo de 2 decigramas. A partir de 6 decigramas, o condutor responde a um processo passível de suspensão do direito de dirigir e a um inquérito policial por embriaguez, podendo ser preso.

O delegado também esclareceu que a falta de resíduo de pólvora na mão do PM não coloca em dúvida a versão dos policiais paranaenses. Outro ponto polêmico foi esclarecido pela família do sargento: Ariel era canhoto. No entanto, o delegado afirmou que o sargento atirou com a mão direita.

Grillo confirmou que não convidou a Brigada Militar para acompanhar a operação. De acordo com o delegado, a decisão foi tomada para evitar constrangimentos. No entanto, o comandante interno do Comando de Policiamento Metropolitano, tenente-coronel Florivaldo Pereira Damasceno, compareceu ao local. O comandante disse que o trabalho de auxílio foi realizado como em todos deste tipo.

Cerca de 60 agentes, entre policiais e peritos, acompanharam os trabalhos que começaram por volta das 23h15min desta terça-feira e terminaram na madrugada desta quarta-feira no bairro Morada do Vale II, em Gravataí, Região Metropolitana. A ERS 020 chegou a ser bloqueada para a realização da reconstituição.

Sargento da BM foi morto a tiros

O 1º sargento do serviço de inteligência da Brigada Militar Ariel da Silva foi atingido por cinco disparos de fuzil por volta da 1h30min do dia 21 de dezembro, em Gravataí. A versão apresentada pelos policiais paranaenses é de que o policial militar (PM) atirou contra eles em uma abordagem e ocorreu então o revide com tiroteio. O coronel Silanus Mello, responsável pelo Comando de Policiamento Metropolitano da Brigada Militar, não acredita na hipótese de o PM ter decidido abordar, de moto, um carro com três ocupantes.

Ariel da Silva estava à paisana, de folga e voltava da casa do pai. "O sargento estava caído, ainda com vida, ao lado da moto e da sua pistola. Estava distante cerca de sete metros atrás do Logan", disse. A vítima atuava há 21 anos na Brigada Militar.

Na tarde do mesmo dia, o empresário Lírio Perscht, 50 anos, morreu em ação conjunta da Polícia Civil do Paraná e polícias Civil e Militar do Estado. Agentes invadiram o cativeiro onde eram mantidos reféns Perscht e outro empresário – um sobrado amarelo na rua Doutor Luiz Bastos do Prado, atrás da Câmara de Vereadores de Gravataí.

Ao fim da ação de resgate, três pessoas foram presas – todas com antecedentes por extorsão mediante sequestro. Os policiais envolvidos na morte do sargento da BM foram detidos, em Curitiba, após a Justiça decretar pedido de prisão temporária.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Arquivo do blog