TRANS. DO PROGRAMA ENTARDECER NA FRONTEIRA DIRETO PECUARIA EM 19/11/2009

TRANS.  DO  PROGRAMA ENTARDECER NA FRONTEIRA DIRETO  PECUARIA EM  19/11/2009
ALDO VARGAS

TRADIÇÃO E CULTURA

teixeirinha

Loading...

gildo

Loading...

SANTANA LIVRAMENTO MINHA TERRA AMADA.

SANTANA LIVRAMENTO MINHA TERRA  AMADA.

Pesquisar este blog

CAPITAL GAUCHA PORTO ALEGRE

CAPITAL GAUCHA  PORTO ALEGRE

ESTADIO BEIRA RIO PORTO ALEGRE

ESTADIO BEIRA RIO PORTO ALEGRE

TROPEIRO VELHO

  • TROPEIRO VELHO

TRADIÇÃO E CULTURA

A VOCE CARO VISITANTE E UM PRAZER TER AQUI VISITANDO ESTE BLOG DESTE GAÚCHO, QUE NÃO TEM LADO PARA CHEGAR, GOSTO DE UMA AMIZADE E UM BOA CHARLA, TRATO TODOS COM RESPEITO PARA SER RESPEITADO MAS SE FOR PRECISO QUEBRO O CHAPEU NA TESTA PRA DEFENDER UM AMIGO AGARRO UM TIGRE A UNHA. AGRADEÇO A TODOS QUE DEIXAM SEU RECADO, POSTADO NESTE BLOG.

GALPÃO GAUCHO

GALPÃO  GAUCHO

A BANDEIRA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL, TE AMO MEU RIO GRANDE

A  BANDEIRA  DO  ESTADO  DO  RIO GRANDE  DO  SUL,  TE  AMO  MEU  RIO  GRANDE

sábado, 5 de maio de 2012

INDEFINIDA TRANSFERENCIA DE POLICIAS MILITARES DO RS.


Indefinida transferência de PMs
De onde vem o reforço da BM

governo estadual ainda não definiu de onde retirará os 200 PMs que farão reforço na prevenção de homicídios na Região Metropolitana.
A única certeza é que virão da Metade Sul do Estado, adianta o secretário estadual da Segurança Pública, Airton Michels. Ele deve receber da BM um estudo com os locais mais indicados para cederem PMs para atuar em Porto Alegre e cidades vizinhas, as mais atingidas pela alta de 19% nos homicídios no último trimestre.
– Além do custo orçamentário, levaremos em conta fatores políticos, já que nenhum município gosta de reduzir o número de policiais em patrulhamento – pondera um membro do Estado-Maior da BM.
De onde vem o reforço da BM
Os 200 PMs que atacarão os altos índices de homicídios na Região Metropolitana sairão de quatro regiões, o que está gerando apreensão em cidades do Interior
Os 200 policiais militares remanejados para conter a alta de homicídios na Região Metropolitana devem vir de quatro pontos do Interior: Missões, Centro, Fronteira Oeste e Sul. Responsável por organizar a força-tarefa contra os assassinatos, a Secretaria da Segurança Pública (SSP) ainda não definiu com a Brigada Militar a quantidade de homens e as cidades exatas que cederão parte do seu efetivo durante os dois meses da mobilização no entorno da Capital.
– A tendência é de que a Metade Sul ofereça a maior parte do pessoal, pois é onde a Brigada tem mais gente – diz o secretário estadual da Segurança Pública, Airton Michels, que ontem, após retornar de Brasília, tratou dos detalhes do trabalho, que também ganhará um plano de ação da Polícia Civil na próxima semana.
Informações extraoficiais indicam que cada região emprestaria 50 homens, dado não confirmado pelo secretário. Segundo ele, a estratégia é fazer remoções cirúrgicas de efetivos de áreas com a taxa de criminalidade baixa e devolver os PMs qualificados pelos cursos de atualização que serão oferecidos em Porto Alegre.
– Não se trata de uma ação de cobertor curto, protegendo a Capital e deixando o Interior desguarnecido. Além disso, quando os policiais voltarem para suas unidades, os municípios ganharão homens mais qualificados – destaca.
A SSP tenta agilizar com a BM e a Secretaria da Fazenda os trâmites para acelerar a movimentação do efetivo. O coronel Altair Cunha, que responde pelo comando interino da BM, espera fechar os números hoje, após consultas aos comandos regionais da BM. A intenção é iniciar os treinamentos no começo da semana para colocar as equipes nas ruas na quarta-feira, plano que ainda pode ser revisto.
A divisão da tropa também tem chances de ter mudanças. Michels entende a necessidade de 75 homens na parte norte e leste de Porto Alegre e outros 125 em Alvorada, Cachoeirinha, Gravataí e Viamão. A ideia inicial indicava cem policiais na Capital e cem nas cidades vizinhas.
O alvo da força-tarefa será o combate ao tráfico de drogas, captura de foragidos e apreensão de armas.
CARLOS WAGNER E GUILHERME MAZUI
MULTIMÍDIA
Saiba mais
Temor em Santa MariaA notícia que policiais serão deslocados da Região Central para a força-tarefa que agirá para conter a alta de assassinatos na Capital e em municípios metropolitanos preocupou autoridade locais. Como a Região Metropolitana, Santa Maria teve um aumento considerável no número de homicídios neste ano. Nos quatro primeiros meses de 2012, ocorreram mais da metade de assassinatos do que todo o ano de 2011. São 18 pessoas mortas de janeiro a abril deste ano, contra 29 no ano passado.
– Não sei como isso vai refletir aqui em Santa Maria – avaliou o titular da Delegacia de Furtos, Roubos, Entorpecentes e Capturas (Defrec), Sandro Meinerz, que atua na investigação do tráfico de drogas, uma das principais causas dos homicídios em Santa Maria.
No Comando Regional de Policiamento Ostensivo Central (CRPO/C), sediado em Santa Maria, ainda não há informações de quantos homens devem ser redirecionados para a força-tarefa. Segundo o comandante do CRPO/C, coronel Jaime Machado Garcia, a destinação de policiais da região para a força-tarefa é de seu conhecimento, mas até o final da tarde de ontem nenhuma determinação oficial do Comando-geral da Brigada Militar foi recebida. Mesmo assim, ele pensa em como resolver o problema para não afetar a região.
– Não recebi qualquer ordem. Se isso acontecer, conforme o número de homens pedido, devo retirar uma pequena parcela dos efetivos que atuam nos 29 municípios que pertencem ao nosso comando – disse o coronel, explicando que essa estratégia deve evitar que a segurança em Santa Maria fique comprometida.
Como força-tarefa tentará conter alta de assassinatos
Duzentos PMs deslocados do Interior agirão contra tráfico, armas e foragidos na Região Metropolitana
A força-tarefa criada para conter a alta dos homicídios no Estado ganha as ruas na próxima semana com 200 PMs transferidos do Interior para atacar o tráfico, buscar foragidos e apreender armas. É inibindo esses crimes que a Secretaria da Segurança Pública (SSP) pretende frear a carnificina registrada no primeiro trimestre do ano, quando o número de assassinatos teve um salto de 19,6% no Estado, puxados pela criminalidade na Região Metropolitana.
Dos 200 policiais militares que deixarão por dois meses o Interior, cem patrulharão as zonas norte e leste de Porto Alegre e outros cem ficarão em bairros de Cachoeirinha, Alvorada, Viamão e Gravataí. Se não houver atraso nos trâmites junto à Secretaria da Fazenda, o efetivo começa a trabalhar na próxima quarta-feira.
– Se compararmos março de 2011 com março de 2012, tivemos 26 mortes a mais no Estado, sendo que 19 na Região Metropolitana – explica Juarez Pinheiro, secretário-adjunto da Segurança Pública, que ontem à tarde se reuniu com o comando da Brigada Militar, que executará a operação.
Previsão é de que operações comecem na quarta-feira
O combate ao tráfico de drogas encabeça as prioridades da operação. Em disputa por território e poder, quadrilhas se atacam, num ciclo apontado pelas autoridades como principal causador da alta nos homicídios. A repressão imediata será executada pela Brigada Militar, com apoio da Polícia Civil. Em outra ação, até setembro deverão ser instalados novos Territórios da Paz (unidade da BM em pontos conflagrados) em Alvorada, Cachoeirinha, Novo Hamburgo, São Leopoldo, Esteio, Sapucaia e Guaíba.
Os 200 homens devem chegar a Porto Alegre na segunda-feira, passando por dois dias de treinamento. A previsão, que ainda depende da definição de itens como orçamento e alojamento, é iniciar as patrulhas na quarta. Os setores de inteligência da Polícia Civil já mapearam bairros e horários que concentram cada tipo de delito.
– Será um trabalho ostensivo – diz o coronel Altair de Freitas Cunha, que responde interinamente pelo comando.
GUILHERME MAZUI
Batalhões envolvidos serão premiadosA força-tarefa com 200 homens é uma boa notícia para quem vive na Região Metropolitana, foco da alta dos homicídios no Estado, mas preocupa moradores do Interior, origem dos PMs empregados na operação.
A BM ainda não definiu quais municípios terão baixas em seus efetivos. Para não sacrificar unidades pontuais, a ideia, segundo o coronel Altair Freitas de Cunha, é buscar os homens em cidades com baixos índices de criminalidade e com boa proporção de policiais por habitantes. Diante da resistência natural dos comandos regionais, que também lidam com falta de pessoal, a intenção é premiar os batalhões envolvidos na força-tarefa.
– Serão cidades que terão prioridade para aquisição de novas viaturas e equipamento – sinaliza Altair.
A operação também servirá de treinamento para os PMs, que passarão por cursos de reciclagem.
Professor da UFRGS, especialista em sociologia da criminalidade, Juan Mario Fandino Marino acredita que, no período em que o cerco ao crime for maior no entorno de Porto Alegre, crimes menores possam aumentar no Interior. Em outra ponta, destaca a necessidade de vigilância na Região Metropolitana:
– Se as altas nos homicídios derivam de conflitos entre gangues, de acertos de conta, as mortes podem estar sendo adiadas. Quem jura um rival, não tem pressa para matá-lo.

MULTIMÍDIA

CÂMARA DE VEREADOES DE CACHOEIRA DO SUL APROVA MOÇÃO DE APOIO AS DEMANDAS DA ABAMF.


Câmara de Vereadores de Cachoeira do Sul aprova moção de apoio as demandas da ABAMF

Vereador Valdocir lidera manifestação de apoio à demanda da Abamf  Nesta semana, o vereador Valdocir Marques (PSB) requereu o envio de moção de apoio à Assembleia Legislativa do Estado no sentido de sensibilizar o governo gaúcho a restabelecer o diálogo quanto à proposta salarial dos Policiais Militares de Nível Médio da Brigada Militar. O documento foi subscrito por outros seis vereadores, demonstrando que a maioria da Câmara apoia a demanda da Associação Beneficente Antônio Mendes Filho, entidade que representa os servidores de nível médio da Brigada Militar (Abamf).

    Valdocir explica que, o governo estadual ofereceu a volta da verticalidade, que é uma demanda de mais de 20 anos da categoria. Para o vereador a situação melhorou, pois agora as categorias de nível médio não precisam puxar para baixo os salários da categoria de nível superior, já que quanto maior o reajuste dado aos oficiais, mais os subordinados irão receber.

    A verticalidade garante justiça salarial e unicidade à corporação, contudo, os índices não atendem de forma satisfatória às expectativas da classe, em virtude do imenso abismo que se criou nos últimos anos, esclarece Valdocir. "Os servidores de nível médio são tão merecedores de valorização quanto os seus superiores. Nossa sociedade reconhece a importância da Brigada, e precisa dar esse incentivo à categoria. Os servidores de nível médio acumularam muitas perdas, não adianta querer tapar o sol com a peneira, os índices precisam ser melhorados por questão de justiça", argumenta o vereador, frisando que, os oficiais superiores não podem ser tratados de forma privilegiada.

DISPARIDADE - Ocorre que, os oficiais já tem em mãos o anteprojeto que estabelece o reajuste salarial da sua categoria, enquanto que os servidores de nível médio não obtiveram, sequer, um esclarecimento dos detalhes sobre o anteprojeto que será enviado à Assembleia, e isto causa uma sensação de tratamento desigual, salienta o parlamentar.

quinta-feira, 3 de maio de 2012

GOVERNADOR DO PARANÁ PEDE DESCULPA AOS POLICIAIS MILITARES .




O governador do Paraná, Beto Richa (PSDB), pediu desculpas na última segunda-feira (30) por ter afirmado que um policial com curso superior “muitas vezes não aceita cumprir ordens de um oficial ou um superior”.
“Acho que foi o primeiro grande deslize que cometi na minha vida pública”, afirmou Richa, sobre o episódio.
A polêmica declaração foi dada em entrevista à rádio CBN Curitiba, na última quinta-feira (26), em resposta a críticas sobre o fim da exigência de diploma universitário em direito para ingresso na Polícia Militar do Paraná, e provocou reações indignadas entre os policiais.
Richa disse que a exigência do diploma para o ingresso na PM “demonstrou não ser uma boa iniciativa”, porque “desestimula os jovens que querem entrar na polícia [...] e não têm curso superior ainda”.
Em seguida, o governador declarou: “Outra questão é a de insubordinação, também. Uma pessoa com curso superior muitas vezes não aceita cumprir ordens de um oficial ou um superior, uma patente maior”.
Segunda-feira, também em entrevista à CBN, Richa disse que repetiu um argumento que ouviu de um oficial “sem ter feito a reflexão adequada”.
“Cometi um ato falho, fiz uma manifestação que não é o que eu defendo e não é o que eu penso. Estou aqui para me redimir e dizer que tenho um forte compromisso com a PM”, disse o tucano.
Richa disse que, tão logo haja a permissão legal, a Academia Militar do Estado oferecerá cursos superiores aos ingressantes na PM, de tecnólogo e bacharel em segurança pública, com diploma de universidade estadual.
A lei que exige diploma de nível superior para ingressar na PM foi aprovada pela Assembleia Legislativa em 2010, mas até hoje não foi colocada em prática.
‘PM com curso superior não aceita cumprir ordens’, diz Beto Richa
Em resposta a críticas sobre o fim da exigência de diploma universitário para ingresso na Polícia Militar do Paraná, o governador do Paraná, Beto Richa (PSDB), disse que um policial com curso superior “muitas vezes não aceita cumprir ordens de um oficial ou um superior”.
A declaração foi dada em entrevista à rádio CBN Curitiba, nesta quinta-feira (26).
Richa disse que a exigência do diploma para o ingresso na PM “demonstrou não ser uma boa iniciativa”, porque “desestimula os jovens que querem entrar na polícia [...] e não têm curso superior ainda”.
Em seguida, o governador afirmou: “Outra questão é a de insubordinação, também. Uma pessoa com curso superior muitas vezes não aceita cumprir ordens de um oficial ou um superior, uma patente maior”.
A exigência de curso superior para ingressar na PM foi instituída no Paraná em outubro de 2010, quando foi aprovada na Assembleia Legislativa, por votação dos deputados, a Emenda Constitucional 29.
De acordo com o documento, seria exigido diploma de direito para o ingresso na PM e de engenharia para admissão no Corpo de Bombeiros.
A lei, porém, que também instituía outros benefícios para os policiais, nunca chegou a ser cumprida, pois dependia de regulamentação –o que está sendo feito neste momento pelo governo estadual.
Na última quarta-feira (25), o governo enviou à Assembleia um conjunto de projetos para enfim regulamentar a lei aprovada em 2010. Em um dos projetos de lei, porém, a exigência do diploma é retirada da Constituição Estadual.
Entidades que representam os policiais do Estado se manifestaram contra a mudança, afirmando que a medida representaria um “retrocesso” na busca por uma polícia mais bem preparada.
“O governo está propondo mudar a lei que já existe. Agora ele quer derrubar o que construímos?”, reclama o presidente da APCS (Associação dos Policiais, Cabos e Soldados Militares do Paraná), soldado Laudenir Dotta.
O governo argumenta que o tema “deverá ser regulamentado posteriormente, por meio de estatuto próprio, com o devido estudo que a questão requer”.
Hoje, em seu Twitter, Richa disse que suas declarações foram “descontextualizadas”. “O que eu disse é que retiramos a exigência do diploma para dar oportunidade aos mais jovens que ainda não concluíram o curso superior”, afirmou.
O governador afirmou, em seu perfil no Facebook, que esses jovens “perdem a chance de concretizar um projeto de vida” com a exigência de diploma. “São pessoas preparadas para a função mas que não atendem a escolaridade exigida.”
Richa também afirmou que a valorização dos servidores é “uma meta de governo”. “Nada mudou. Respeito e valorizo os nossos policiais”.

JUSTIÇA ENCAMINHA NOVOS PAGAMENTOS DE PRECATÓRIOS


JUSTIÇA ENCAMINHA NOVOS PAGAMENTOS DE PRECATÓRIOS

Em abril, o Tribunal de Justiça do Estado (TJRS) encaminhou o pagamento de R$ 38 milhões em precatórios pelo Estado. A partir da decisão, a Secretaria da Fazenda tem 30 dias para realizar o empenho aos credores.
De acordo com o coordenador da Central de Precatórios do TJ, juiz Luiz Antonio Capra, o pagamento dos precatórios é uma meta que deve ser perseguida por todos que interferem no processo.
O resultado é fruto de cobrança da Frente Parlamentar dos Precatórios da Assembleia Legislativa, presidida pelo deputado Frederico Antunes (PP), Sinapers e OAB/RS e realizada através de uma parceria entre o setor de precatórios do TJ e a Procuradoria-Geral do Estado.

A VERDADEIRA CARA DO GOVERNO TARSO GENRO.


A VERDADEIRA CARA DO GOVERNO TARSO GENRO

A Associação dos Sargentos, Subtenentes e Tenentes da Brigada Militar (ASSTBM), vem a público manifestar repúdio ao Governo Tarso Genro, que com propostas maquiavélicas está ampliando o abismo salarial já existente na BM.Governo que manipula em seu favor Entidades de Classe que não representam a maioria, mas decidem em nome desta. Cabe esclarecer a sociedade gaúcha que estamos sendo submetidos ao mais cruel e ingrato tratamento, pois o governo em nenhum momento negociou igualitariamente com o conjunto dos Brigadianos, apenas impôs suas posições com um falso projeto de retorno da verticalidade.Denunciamos à população gaúcha o descaso do Governo atual para com a segurança publica e conclamamos a todos os servidores de nível médio da BM para contatarem os deputados de suas regiões, a fim de que não seja aprovada, a proposta do governo que recupera e estabiliza os salários dos servidores de nível superior, mas que aumenta ainda mais o fosso entre os níveis da BM.
Essa nota de repúdio foi enviada para toda a imprensa, sendo divulgada hoje (03/05) no jornal O Sul, na coluna do jornalista Wanderley Soares. Está também no blog do jornalista Políbio Braga, acesse e deixe seu comentário:

BM TIRA POLICIAIS DO INTERIOR PARA REFORÇAR REGÃO METROPOLITANA


BM tira policiais do Interior para reforçar Região Metropolitana

Emergência 1
Luz vermelha no Piratini.
Antes que o recorde histórico seja superado, ogoverno prepara uma ofensiva para estancar o crescimento do número de homicídios no Rio Grande do Sul. A primeira e mais visível das medidas é a criação de uma força-tarefa com 200 policiais militares trazidos do Interior. Eles atuarão em quatro municípios que concentram a maior parte do aumento das ocorrências: Alvorada, Viamão, Gravataí e Cachoeirinha.
Na etapa inicial, as operações deverão se estender por dois meses. Baseado em informações da inteligência oficial, o trabalho será focado nas regiões, dias e horários mais violentos.
Depois, outras ações de médio e longo prazos serão implementadas.

Emergência 2
Março de 2012 teve 26 homicídios a mais no Rio Grande do Sul do que no mesmo período de 2011. A Secretaria de Segurança do Estado afirma que o fenômeno é nacional e que teria como uma das causas a flexibilização do Código de Processo Penal. As mudanças na legislação tornaram mais difíceis as prisões em flagrante.
O novo batalhão gaúcho deve estar nas ruas daqui a 10 dias. Será vinculado ao comandante de Policiamento Metropolitano, coronel Silanus Mello. Procurado pelo Informe Especial, o secretário adjunto da Segurança, Juarez Pinheiro, projetou: “Essa ação já terá reflexos positivos a partir do mês de maio”.

COISA BOA AFAVOR DA POPULAÇÃO NINGUEM AVISA FICA ESCONDIDO A SETE CHAVES.

DIÁRIO OFICIAL

Lei de n° 3.359 de 07/01/02 - Depósitos Antecipados 

COISA BOA NÃO SE DIVULGA E NINGUÉM FICA SABENDO! 

Foi publicado no DIÁRIO OFICIAL em 09/01/02, A Lei de n° 3.359 de 07/01/02, que dispõe: 

Art.1° - Fica proibida a exigência de depósito de qualquer natureza, para possibilitar internação de doentes em situação de urgência e emergência, em hospitais da rede privada.' 

Art 2° - Comprovada a exigência do depósito, o hospital será obrigado a devolver em dobro o valor depositado ao responsável pela internação. '
Art 3° - Ficam os hospitais da rede privada obrigados a dar possibilidade de acesso aos usuários e a afixarem em local visível a presente lei. '
Art 4° - Esta Lei entra em vigor na data de sua publicação.

Não deixe de repassar aos seus amigos, parentes, conhecidos, enfim.
Uma lei como essa, que deveria ser divulgada, está praticamente escondida! E isso vem desde 2002. Estamos em 2011!

PARA NÃO ESQUECERMOS NA HORA DO DESESPERO, SALVE E IMPRIMA ESTA LEI E COLE NO LIVRO DO SEU CONVÊNIO.



VAMOS REPASSAR!!

quarta-feira, 2 de maio de 2012

ABAMF FALARÁ COM DEPUTADOS SOBRE A VERTICALIDADE


ABAMF falará com deputados sobre verticalidade
Índices melhores são fundamentais para os brigadianos

 A ABAMF irá na tarde de hoje((2/5) a Assembleia Legislativa(AL) esclarecer os deputados sobre a posição dos brigadianos com relação ao projeto da verticalidade. A mobilização busca fazer com que osparlamentares alterem os índices propostos pelo governo gaúcho, uma vez que não satisfaz a categoria. A representação dos servidores de nível médio reivindica percentuais maiores, evitando que os vencimentos da base da Corporação permaneçam como um dos piores do Brasil. O Executivo planeja enviar o projeto ao Legislativo ainda esta semana.
Para convencer os deputados a mudar os números a ABAMF tem o valor do salário que será pago neste mês para soldados militares em início de carreira no Paraná: R$ 3,200,00. Pelo projeto do governo, os brigadianos não atingirão esse valor nem em 2014, pois o vencimento inicial estará em R$ 2.206,00. Atualmente, o RS é o último colocado no ranking dos salários entre as policias militares brasileiras, e assim continuará se os índices forem mantidos. Há também o aumento no desconto da previdência de 13,25% que o governo estadual pretende aprovar.
A ABAMF manterá contato com todos os deputados, deixando claro que a verticalidade é boa, mas os índices têm que ser alterados. As Regionais também ja estão trabalhando no contato com partidos e políticos nos municípios do interior. Os brigadianos devem entrar em contato com os deputados na AL  (www.al.rs.gov.br) enviando e-mails para mostrar a posição e atenção da categoria.

terça-feira, 1 de maio de 2012

PIRATINI QUER URGÊNCIA NA VOTAÇÃO.

Piratini quer urgência na votação
Para garantir a aprovação em 30 dias do pacote de 22 projetos que enviará ao Legislativo,governo recorre a regime emergencial

Convencido de que os projetos de lei encalham na Assembleia Legislativa se seguirem a tramitação regular, o governo do Estado decidiu enviar todo o seu pacote em regime de urgência. Assim como o aumento da alíquota da previdência, encaminhado na semana passada, as outras 22 proposições da lista serão entregues ao Legislativo amarradas ao artigo 62 da Constituição – que garante a votação no prazo máximo de 30 dias.
Na relação, que será entregue à Assembleia entre quarta e quinta-feira, estarão inclusive as medidas mais polêmicas, como a criação de uma empresa para gerenciar os pedágios e a equiparação das taxas cobradas pelo Detran com os preços cobrados em Santa Catarina e no Paraná. Nesta quarta-feira, às 12h30min, o governo fará uma reunião com os líderes da base para apresentar a relação (confira o detalhamento no quadro). A meta é garantir um acordo para evitar emendas ou mensagens retificatórias, que poderiam fazer o prazo de tramitação retroceder. Com isso, a expectativa é garantir a aprovação de todo o conjunto em um mês já que, com o regime de urgência, as proposições não precisam passar pelas comissões.
Antecipando-se às críticas da oposição pelo fato de o governo recorrer ao regime de urgência, do qual o PT era crítico contumaz antes de assumir o Piratini, a subchefe da Casa Civil, Mari Perusso, prepara um levantamento de todos os projetos que ficaram trancados na Casa com a tramitação regular.
– O projeto da Casa de Solidariedade, por exemplo, não foi com urgência e está há um ano na Assembleia. Sem regime de urgência, os projetos ficam sete, oito meses parados, e isso significa perda de orçamento – justifica.
O argumento é contestado pelo deputado Giovani Feltes, líder partidário do PMDB, a maior bancada de oposição, que considera uma “provocação e uma agressão” à Casa a tentativa de imputar morosidade ao Legislativo.
– Essa postura é uma demonstração de que eles não são tão democráticos assim, não querem ouvir a população. No caso das Casas da Solidariedade, o próprio governo não deu acordo muitas vezes para votar, o projeto tem muitas brechas – critica.
Ainda assim, Feltes está resignado com a ideia de que o pacote será aprovado facilmente, graças à maioria de votos que o governo Tarso detém na Assembleia.


segunda-feira, 30 de abril de 2012

COLEGA, DE FARDA FILMA POLICIAL DORMINDO EM VIATURA E PODE PROVOCAR A EXPULSÃO DO AMIGO.


‘Colega’ de farda filma policial dormindo em viatura e pode provocar a expulsão do amigo
Quantas horas [a mais] um policial trabalha para garantir a alegaria da galera na arquibancada do ‘Amigão’?

Antes de tudo, lembre-se: o governo do Ceará já expulsou 88 policiais militares nos últimos 15 meses, sendo três casos envolvendo denúncias de PMs dormindo na viatura, conforme matéria publicada pelo jornal cearense O Povo. Agora, mais um trabalhador pode perder a farda por causa de um cochilo.
Ao que se percebe, as imagens foram feitas por um próprio colega de guarnição, dentro da viatura em movimento. Nota-se ainda que o ‘flagrante’ sem graça se deu num horário de pouca movimentação nas ruas e com dia amanhecendo.
O fato é que o vídeo foi parar na internet, parte da imprensa fez lá seu estardalhaço e, claro, o alto oficialato da PMCE já se manifestou dizendo que vai apurar o caso.
É claro que policiais não podem dormir durante o serviço. Assim como o estado não tem [ou não deveria ter] o direito impor aos policiais uma carga horária que muitos humanistas fazem questão de “não tocar no assunto”.
Aqui na Paraíba mesmo, centenas de policiais deverão perder seu dia de FOLGA para reforçar asegurança nos estádios neste final de semana. Se o evento é privado, deveria contratar a segurança privada. Isso não sai na imprensa.
O comando da PM cearense disse que “tudo deve ser apurado com cautela” e talvez não faça desse policial um pai de família desempregado. Mas não se esqueça: nos últimos 15 meses, o governo do Ceará já tomou a farda de pelo três que foram flagrados “dormindo na viatura”.
 Veja o tamanho do crime que este homem cometeu.

ParaibaemQAP

Arquivo do blog