TRANS. DO PROGRAMA ENTARDECER NA FRONTEIRA DIRETO PECUARIA EM 19/11/2009

TRANS.  DO  PROGRAMA ENTARDECER NA FRONTEIRA DIRETO  PECUARIA EM  19/11/2009
ALDO VARGAS

TRADIÇÃO E CULTURA

teixeirinha

Loading...

gildo

Loading...

SANTANA LIVRAMENTO MINHA TERRA AMADA.

SANTANA LIVRAMENTO MINHA TERRA  AMADA.

Pesquisar este blog

CAPITAL GAUCHA PORTO ALEGRE

CAPITAL GAUCHA  PORTO ALEGRE

ESTADIO BEIRA RIO PORTO ALEGRE

ESTADIO BEIRA RIO PORTO ALEGRE

TROPEIRO VELHO

  • TROPEIRO VELHO

TRADIÇÃO E CULTURA

A VOCE CARO VISITANTE E UM PRAZER TER AQUI VISITANDO ESTE BLOG DESTE GAÚCHO, QUE NÃO TEM LADO PARA CHEGAR, GOSTO DE UMA AMIZADE E UM BOA CHARLA, TRATO TODOS COM RESPEITO PARA SER RESPEITADO MAS SE FOR PRECISO QUEBRO O CHAPEU NA TESTA PRA DEFENDER UM AMIGO AGARRO UM TIGRE A UNHA. AGRADEÇO A TODOS QUE DEIXAM SEU RECADO, POSTADO NESTE BLOG.

GALPÃO GAUCHO

GALPÃO  GAUCHO

A BANDEIRA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL, TE AMO MEU RIO GRANDE

A  BANDEIRA  DO  ESTADO  DO  RIO GRANDE  DO  SUL,  TE  AMO  MEU  RIO  GRANDE

sábado, 14 de janeiro de 2012

SALVA-VIDAS RELATAM O SENTIMENTO DE ORGULHO AO AJUDAR VERANISTA NO LITORAL.

Salva-vidas relatam o sentimento de orgulho ao ajudar veranistas no Litoral
Conheça três histórias de quem expandiu a profissão para além da guarita e dissemina o prazer inesquecível de salvar vidas


Apaixão por salvar vidas é epidêmica. Provas disso estão espalhadas pelas 228 guaritas do Litoral Norte. Em meio a um contingente de 800 salva-vidas, três histórias foram escolhidas para ilustrar o quanto o amor por devolver uma vida à tona é contagiante.

Conforme a terapeuta comportamental Elisabeth Meyer estes profissionais da areia são vistos como heróis e não é para menos:

— Simbolizam a diferença entre a vida e a morte. Nos sentimos seguros na praia porque sabemos que eles estão lá, de olho na gente. E isso os deixa envaidecidos.

Orgulho de pai para filho

David Antonio Olkoski, 25 anos, tinha nove quando seu pai virou salva-vidas. Desde então, pedia para seguir o “velho” na beira-mar. Ficava todo orgulhoso a cada braçada e a cada vítima resgatada com empenho. Na hora de escolher a profissão, não hesitou. Em 2008, participou da sua primeira Operação Golfinho em Torres, mesmo município em que o pai atua.

Assim como o filho David, Antonio Carlos Oliveira da Silva, 43 anos, sente orgulho de carregar estampado nas costas a palavra salva-vidas.

— Interferimos na vida das pessoas no momento em que elas mais precisam — diz Antonio.

Enquanto dividem o mesmo posto, na guarita 9 da Praia da Cal, são os soldados Antonio e Olkoski. Raramente, alguém escuta um chamar o outro pelo parentesco. Somente em casa, em Sapiranga, quando se despem da farda, é que voltam a ser pai e filho.

No mar, a interação e a conexão de ambos revelam os laços de sangue. Por ter passado anos a observar as técnicas do pai, David já sabe para onde ele vai correr, o que fará e se prepara para o que tem de fazer. Se comunicam pelo olhar.

— Só que ele nada melhor que eu, sempre foi assim — dispara o pai coruja.

— É uma emoção difícil de descrever. Foi ele quem me ensinou tudo. Quando entrei na água pela primeira vez, já sabia o que tinha de fazer. Poucas vezes me surpreendi — celebra David.

Amor a toda prova

Vânia conheceu o namorado em Canela. Os dois eram brigadianos do patrulhamento de rua. Ele já atuava como salva-vidas no verão — e ela, em pouco tempo, se tornaria a primeira mulher salva-vidas do Rio Grande do Sul.

Era janeiro de 1999, Vânia Maria De Nale, 36 anos, foi veranear em Xangri-lá: queria ficar perto de Paulo Henrique de Quadros (hoje aos 41), que cumpria expediente na guarita 88. Encantada com a profissão do namorado, nem sabia que mulher podia fazer teste para salva-vidas quando foi incentivada pelo marido. Começou a fazer aulas de natação e a correr todo dia: teria de enfrentar o mesmo teste dos homens.

— Eu falava para ela sobre a gratidão das pessoas. Não há dinheiro que pague salvar uma vida — diz Paulo Henrique.

Em 2001, Vânia jogou-se ao mar com outros candidatos: conseguiu cruzar a arrebentação e voltar, também venceu os 200 metros de natação em cinco minutos, no Rio Tramandaí. Passou no teste, entrou no curso de salva-vidas e, desde lá, bate ponto na guarita 87, ao lado da guarita do amado.

Modelo em Moçambique

O modelo gaúcho de salvar se propaga em alguns países. No ano passado, foi a vez de Moçambique aprender com os nossos militares. Depois de um curso de salvamento e resgate no Japão, em 2003, o major Gilson Wagner Alves, 40 anos, comandante dos salva-vidas de Capão da Canoa, foi ao país africano.

Ele, que participou da mais recente edição do programa No Limite, da Rede Globo, levou o jeito gaúcho de resgatar a Maputo, capital do país africano. Ele e o major Francisco Ecco montaram uma estrutura similar à adotada nas praias gaúchas e deixaram os moçambicanos impressionados.

— Eles carecem de tudo, não possuem organização social. Tem muita morte naquele mar, de água morna, com ondas fortes e pedras por todos os lados — conta o major Wagner. Em dois meses, presenciaram cinco óbitos. Fala-se que, depois da visita, os salvamentos diminuíram.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Arquivo do blog