TRANS. DO PROGRAMA ENTARDECER NA FRONTEIRA DIRETO PECUARIA EM 19/11/2009

TRANS.  DO  PROGRAMA ENTARDECER NA FRONTEIRA DIRETO  PECUARIA EM  19/11/2009
ALDO VARGAS

TRADIÇÃO E CULTURA

teixeirinha

Loading...

gildo

Loading...

SANTANA LIVRAMENTO MINHA TERRA AMADA.

SANTANA LIVRAMENTO MINHA TERRA  AMADA.

Pesquisar este blog

CAPITAL GAUCHA PORTO ALEGRE

CAPITAL GAUCHA  PORTO ALEGRE

ESTADIO BEIRA RIO PORTO ALEGRE

ESTADIO BEIRA RIO PORTO ALEGRE

TROPEIRO VELHO

  • TROPEIRO VELHO

TRADIÇÃO E CULTURA

A VOCE CARO VISITANTE E UM PRAZER TER AQUI VISITANDO ESTE BLOG DESTE GAÚCHO, QUE NÃO TEM LADO PARA CHEGAR, GOSTO DE UMA AMIZADE E UM BOA CHARLA, TRATO TODOS COM RESPEITO PARA SER RESPEITADO MAS SE FOR PRECISO QUEBRO O CHAPEU NA TESTA PRA DEFENDER UM AMIGO AGARRO UM TIGRE A UNHA. AGRADEÇO A TODOS QUE DEIXAM SEU RECADO, POSTADO NESTE BLOG.

GALPÃO GAUCHO

GALPÃO  GAUCHO

A BANDEIRA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL, TE AMO MEU RIO GRANDE

A  BANDEIRA  DO  ESTADO  DO  RIO GRANDE  DO  SUL,  TE  AMO  MEU  RIO  GRANDE

quinta-feira, 19 de janeiro de 2012

PR- POLICIAIS CIVIS E MILITARES QUEREM MELHORES SALÁRIOS

PR- Policiais civis e militares querem melhores salários


Os policiais civis do Paraná vão esperar até o dia oito de fevereiro para que o governo estadual encaminhe à Assembleia Legislativa a mensagem que visa à implantação do novo Estatuto da categoria e os policiais militares querem até o próximo dia 31 uma contraproposta do Palácio do Iguaçu em relação à Emenda 29, que possibilita reposição das perdas salariais e que policiais e bombeiros concursados tenham formação superior prévia. Tanto os militares quanto os civis admitem a possibilidade de greve caso não haja acordo.

A Polícia Civil poderia parar na próxima semana, mas decidiu esperar a pedido do secretário de Estado da Segurança Pública, Reinaldo de Almeida César, que procurou os dois sindicatos da categoria para solicitar mais prazo para o encaminhamento da mensagem da tabela do Estatuto.

CENÁRIO

"A estrutura da Polícia Civil está
complicada, com armas e viaturas
sucateadas, e distritos superlotados"

Admilson Batista
Presidente do Sindipol


Para o presidente do Sindicato dos Policiais Civis (Sindipol), Admilson Batista, a manifestação de César pode ser entendida como interesse do governo em evitar a paralisação na segurança pública.Ele acredita que até o próximo dia oito há possibilidade de uma negociação positiva. "O secretário sinalizou positivamente aos nossos pedidos e decidimos dar este voto de confiança ao governo", destacou.

Na segunda-feira à noite, o Sindipol reuniu cerca de 150 policiais do interior do Estado na sede da entidade, em Londrina (a 102 quilômetros de Maringá), para debater o indicativo de greve e analisar a intervenção do secretário de Segurança. Eles reivindicam, entre outros pontos, que o salário do policial civil seja equiparado ao dos agentes com diploma de nível superior e melhoria das condições de trabalho.

"A estrutura da Civil está complicada, com armas e viaturas sucateadas, distritos superlotados e investigadores tendo que atuar como carcereiros", argumenta o presidente do Sindicato. Com relação à elevação a nível superior, uma policial que representou os colegas de Maringá na assembleia em Londrina afirma que "nosso trabalho nos obriga a correr riscos, no entanto, nosso salário é incompatível com a função". Hoje, o vencimento médio dos policiais civis gira em torno de R$ 2,7 mil mensais.

Ontem à noite, policiais da região metropolitana de Curitiba reuniram-se na sede do Sindicato das Classes Policiais Civis do Paraná (Sinclapol) para decidir se aceitavam a proposta de prorrogar até o dia oito qualquer debate sobre a possibilidade de greve.


Proposta única

Os policiais militares esperam concluir até o fim deste mês as negociações com o governo para o cumprimento da Emenda 29, que prevê que policiais e bombeiros concursados tenham formação superior prévia e garante a reposição das perdas salariais. "Se não houver resposta positiva por parte do governo, a greve será inevitável", diz o presidente da Associação de Defesa dos Direitos dos Policiais Militares Ativos, Inativos e Pensionistas (Amai), coronel Elizeu Furquim. Segundo ele, em caso de paralisação, será feito um planejamento para evitar prejuízos para a população.

A Emenda 29 foi aprovada no governo Orlando Pessuti (PMDB), em 2010, e desde dezembro a PM se movimenta para obrigar o Estado a cumpri-la. No início deste mês, a Secretaria de Administração e Previdência encaminhou ao comando da PM uma proposta de pagamento dos subsídios previstos na Emenda, mas as entidades representativas da classe, entre elas a Amai, apresentaram uma contraproposta, que será avaliada pelo Palácio do Iguaçu. De acordo com as entidades, o objetivo é forçar o governo a negociar para que seja definida uma proposta única.

Luiz de Carvalho

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Arquivo do blog