TRANS. DO PROGRAMA ENTARDECER NA FRONTEIRA DIRETO PECUARIA EM 19/11/2009

TRANS.  DO  PROGRAMA ENTARDECER NA FRONTEIRA DIRETO  PECUARIA EM  19/11/2009
ALDO VARGAS

TRADIÇÃO E CULTURA

teixeirinha

Loading...

gildo

Loading...

SANTANA LIVRAMENTO MINHA TERRA AMADA.

SANTANA LIVRAMENTO MINHA TERRA  AMADA.

Pesquisar este blog

CAPITAL GAUCHA PORTO ALEGRE

CAPITAL GAUCHA  PORTO ALEGRE

ESTADIO BEIRA RIO PORTO ALEGRE

ESTADIO BEIRA RIO PORTO ALEGRE

TROPEIRO VELHO

  • TROPEIRO VELHO

TRADIÇÃO E CULTURA

A VOCE CARO VISITANTE E UM PRAZER TER AQUI VISITANDO ESTE BLOG DESTE GAÚCHO, QUE NÃO TEM LADO PARA CHEGAR, GOSTO DE UMA AMIZADE E UM BOA CHARLA, TRATO TODOS COM RESPEITO PARA SER RESPEITADO MAS SE FOR PRECISO QUEBRO O CHAPEU NA TESTA PRA DEFENDER UM AMIGO AGARRO UM TIGRE A UNHA. AGRADEÇO A TODOS QUE DEIXAM SEU RECADO, POSTADO NESTE BLOG.

GALPÃO GAUCHO

GALPÃO  GAUCHO

A BANDEIRA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL, TE AMO MEU RIO GRANDE

A  BANDEIRA  DO  ESTADO  DO  RIO GRANDE  DO  SUL,  TE  AMO  MEU  RIO  GRANDE

segunda-feira, 23 de janeiro de 2012

POLICIAL MILITAR AGARRA BANDIDO A UNHA NO LITORAL NORTE. RS

Soldado agarra bandido à unha no Litoral Norte
Preso à porta do carro de um foragido que tentou escapar em Quintão, policial foi arrastado por 300m. Emanoel Cardozo Luiz foi capturado em seguida


O que deveria ser só uma ocorrência comum na temporada de verão entre as praias do Litoral Norte se transformou em minutos de tensão para um policial militar de Novo Hamburgo, que atua em Quintão durante a Operação Golfinho.

Emanoel Cardozo Luiz, 27 anos, condenado por homicídio triplo e procurado pela Justiça desde o ano passado, acabou preso depois de tentar fugir com um carro e deixar ferido o PM Régis da Silveira, 43 anos. O policial se pendurou no veículo e foi arrastado por cerca de 300m, enquanto trocava socos com o foragido.

Na tarde de sábado, o soldado, acompanhado por uma colega, abordava um Corsa Wind estacionado em local proibido na Avenida Esparta, área central de Quintão.

- Ele ainda estava com o motor ligado. Nós resolvemos averiguar qual era a situação do veículo e do condutor, além de autuá-lo – explicou o policial.

Bandido se assustou

Emanoel estava próximo ao carro, no qual estavam seus parentes. Depois de alegar que estava sem os documentos, teria entrado no carro e supostamente encontrado os papéis. Enquanto os policiais conferiam quem era ele – e confirmariam em seguida se tratar de um foragido – uma viatura passava pelo local e o PM Régis a teria parado.

- Acho que o preso se assustou com a presença da viatura e cometeu esse ato arriscado – comentou o policial.

Policial ficou com ferimentos

Régis estava parado ao lado da porta do Corsa, ainda aberta, quando notou que Emanoel arrancaria. Sua primeira reação foi jogar-se sobre o suspeito e tentar parar o veículo, contido alguns metros adiante por uma viatura da Brigada, durante perseguição. Com ferimentos no braço e na perna esquerdos, Régis foi atendido no posto médico de Quintão e liberado no começo da noite de sábado.

Como foi

- Emanoel foi abordado por dois PMs ao estacionar seu Corsa em local proibido, no Centro de Quintão.

- Enquanto o PM verificava os documentos, ele arrancou com a porta aberta o carro, no qual estavam sua mulher, a filha pequena e a sogra.

- O PM saltou sobre ele, tentando parar o carro. Foi arrastado por 300m e caiu.

- O veículo foi parado por uma viatura da BM, algumas quadras adiante, após seguir em ziguezague, em alta velocidade, por uma das ruas mais movimentadas do balneário.

“Eles não pensam nem nos filhos”

Regis, 21 anos de Brigada, disse que reagiu para proteger os outros.

Diário Gaúcho – No que você pensou para se jogar sobre o suspeito?

Régis da Silveira – Foi uma reação de momento, a única forma que achei para proteger a minha colega, que estava parada na frente do carro. Ele poderia ter atropelado ela. Também não cogitei sacar a minha arma, para proteger a família dele. Minha intenção era alcançar o freio de mão, mas era um indivíduo grande, não tive como alcançar, então ele me arrastou com a porta aberta.

Diário – O que mais lhe preocupou nesta situação?

Régis – A forma como essas pessoas agem, sem se preocupar com a segurança nem mesmo dos seus filhos. Já vivi outras situações de capturas de foragidos e ainda me surpreendo com isso. Ao invés de proteger, usam os filhos até como escudo. E neste caso, ele ainda arriscou a vida de outras pessoas em pleno Centro de Quintão.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Arquivo do blog