TRANS. DO PROGRAMA ENTARDECER NA FRONTEIRA DIRETO PECUARIA EM 19/11/2009

TRANS.  DO  PROGRAMA ENTARDECER NA FRONTEIRA DIRETO  PECUARIA EM  19/11/2009
ALDO VARGAS

TRADIÇÃO E CULTURA

teixeirinha

Loading...

gildo

Loading...

SANTANA LIVRAMENTO MINHA TERRA AMADA.

SANTANA LIVRAMENTO MINHA TERRA  AMADA.

Pesquisar este blog

CAPITAL GAUCHA PORTO ALEGRE

CAPITAL GAUCHA  PORTO ALEGRE

ESTADIO BEIRA RIO PORTO ALEGRE

ESTADIO BEIRA RIO PORTO ALEGRE

TROPEIRO VELHO

  • TROPEIRO VELHO

TRADIÇÃO E CULTURA

A VOCE CARO VISITANTE E UM PRAZER TER AQUI VISITANDO ESTE BLOG DESTE GAÚCHO, QUE NÃO TEM LADO PARA CHEGAR, GOSTO DE UMA AMIZADE E UM BOA CHARLA, TRATO TODOS COM RESPEITO PARA SER RESPEITADO MAS SE FOR PRECISO QUEBRO O CHAPEU NA TESTA PRA DEFENDER UM AMIGO AGARRO UM TIGRE A UNHA. AGRADEÇO A TODOS QUE DEIXAM SEU RECADO, POSTADO NESTE BLOG.

GALPÃO GAUCHO

GALPÃO  GAUCHO

A BANDEIRA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL, TE AMO MEU RIO GRANDE

A  BANDEIRA  DO  ESTADO  DO  RIO GRANDE  DO  SUL,  TE  AMO  MEU  RIO  GRANDE

quarta-feira, 17 de agosto de 2011

GOVERNO REDUZ PAGAMENTO DS RPVs DIZ RELATÓRIO.

Governo reduz pagamento de RPVs, diz relatório
Postado por abamfbm on agosto 17, 2011 in Geral, Todas notícias | 0 Comentario
As conclusões da Comissão Especial de Precatórios da Assembleia Legislativa, que encerrou seus trabalhos nesta terça-feira (16), mostram que o governo estadual já está diminuindo o ritmo dos pagamentos das Requisições de Pequeno Valor (RPVs), depois que foi os deputados aprovaram um dos projetos do chamado “Pacotarso” que limita os pagamentos a 1,5% da receita anual do Estado e amplia o prazo para pagamento das requisições maiores que sete salários mínimos, de 60 para 180 dias. Segundo dados do próprio governo, do início do ano até o dia 17 de junho teriam sido pagos R$ 300 milhões em RPVs. A estimativa para o segundo semestre, porém, é de R$ 170 milhões.

Assim, o Estado deverá pagar menos em RPVs que os R$ 516 milhões previstos para 2011. E vai frear o aumento gradual que vinha sendo registrado no pagamento das requisições, segundo o relatório do grupo de parlamentares.

O presidente da comissão, Frederico Antunes (PP), afirma que a Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) deve entrar com Ação de Inconstitucionalidade (Adin) na próxima semana. “Lamentamos esta situação. Quando o projeto foi para a Assembleia, avisei que sem um parecer da Procuradoria-Geral do Estado sobre a constitucionalidade da proposta, era como colocar um time em campo sem zagueiros”, afirmou Antunes.

Caso a Justiça considere a lei inconstitucional, será mais um episódio que exemplifica a delicadíssima questão dos precatórios e RPVs. “Tem mais processo por entrar do que o total de processos já existentes (que já são mais de 28 mil). Se a lei for considerada inconstitucional serão mais processos, o piso nacional dos servidores pode gerar mais processos, os técnicos-científicos do Estado devem entrar com processos em breve”, relatou Antunes.

Propostas para amenizar o problema

Segundo o relatório, o Estado deve, em uma perspectiva otimista, cerca de R$ 8 bilhões com precatórios e RPVs. Do trabalho da comissão surgiram alguns projetos que visam amenizar a questão. Um de 2006, do deputado Adilson Troca (PSDB), que trata da utilização de precatórios para a compensação de débitos inscritos na dívida ativa do Estado, foi desarquivado.

O deputado Ronaldo Santini (PTB) protocolou duas propostas. Na semana passada, uma delas foi aprovada por unanimidade na Assembleia. O projeto permite ao Estado pagar precatórios com imóveis, mas a sanção do governador Tarso Genro é incerta. A outra proposta permite aos credores de precatórios deduzirem o valor correspondente ao seu crédito em um financiamento de casa própria junto ao Banrisul.

O vice-presidente da comissão, Valdeci de Oliveira (PT), informou que propôs ao Executivo que encaminhe propostas permitindo que os credores de precatórios e RPVs possam usá-los para quitar dívidas, adquirir automóveis e imóveis junto ao Banrisul. Ele relatou que já há uma comissão montada pelo governo para analisar as medidas.

“Essas propostas podem fazer com que a fila ande. A ideia é apresentar sugestões ao governo para os pagamentos irem além dos 1,5% da receita atuais. Se os pagamentos continuarem neste ritmo, muitas pessoas não verão seus pagamentos em vida”, afirmou o relator da comissão, deputado Miki Breier (PSB). “O quadro não é favorável. É quase assustador”, completou.

Há ainda uma proposta em nível federal, da senadora Ana Amélia Lemos, que protocolou projeto no Senado estabelecendo a possibilidade de federalização das dívidas com precatórios dos Estados. Assim, a União pagaria aos precatoristas e o Estado ficaria em débito com a União. Entretanto, o próprio relatório admite que a troca seria desvantajosa para o Estado, que dificilmente aceitaria a federalização do débito.

Durante o decorrer dos trabalhos da comissão, que foi instalada no dia 4 de abril, uma medida concreta foi tomada pelo Judiciário e pelo Executivo. No último dia 27 de julho, uma parceria entre Banrisul e Tribunal de Justiça lançou o sistema eletrônico de pagamento de precatórios, automatizando a expedição de alvarás que permitem sacar os precatórios já empenhados.

Presidente da Comissão dos Precatórios, Frederico Antunes (PP) cogita criação de CPI | Foto: Ramiro Furquim/Sul21

Deputados querem continuidade dos trabalhos

O presidente da comissão, Frederico Antunes, ressaltou que o trabalho precisa continuar, fiscalizando o Executivo como devedor e o Judiciário, que pode dar maior celeridade aos processos. Antunes deseja a criação de uma comissão permanente na Casa para os precatórios. “Sem menosprezar o trabalho de outras comissões, mas seria um tema mais útil que do que de muitas outras que já existem”.

Antunes cogita até a possibilidade da criação de uma CPI. Para tanto, irá consultar OAB e Ministério Público para confirmar se isto é viável. “Não é contra o governo, mas contra o estado”, justificou. “As pessoas precisam ver que o estado é tão rápido para pagar, quanto tem sido para cobrar”.

A presidente do Sindicato dos Servidores Públicos Aposentados e Pensionistas do Estado do RS (Sinapers), Ilma Truyllio Penna de Moraes, considerou o trabalho da comissão “muito bem feito”. “Temos esperanças de o problema seja solucionado”, disse.



jornalSul21

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Arquivo do blog