TRANS. DO PROGRAMA ENTARDECER NA FRONTEIRA DIRETO PECUARIA EM 19/11/2009

TRANS.  DO  PROGRAMA ENTARDECER NA FRONTEIRA DIRETO  PECUARIA EM  19/11/2009
ALDO VARGAS

TRADIÇÃO E CULTURA

teixeirinha

Loading...

gildo

Loading...

SANTANA LIVRAMENTO MINHA TERRA AMADA.

SANTANA LIVRAMENTO MINHA TERRA  AMADA.

Pesquisar este blog

CAPITAL GAUCHA PORTO ALEGRE

CAPITAL GAUCHA  PORTO ALEGRE

ESTADIO BEIRA RIO PORTO ALEGRE

ESTADIO BEIRA RIO PORTO ALEGRE

TROPEIRO VELHO

  • TROPEIRO VELHO

TRADIÇÃO E CULTURA

A VOCE CARO VISITANTE E UM PRAZER TER AQUI VISITANDO ESTE BLOG DESTE GAÚCHO, QUE NÃO TEM LADO PARA CHEGAR, GOSTO DE UMA AMIZADE E UM BOA CHARLA, TRATO TODOS COM RESPEITO PARA SER RESPEITADO MAS SE FOR PRECISO QUEBRO O CHAPEU NA TESTA PRA DEFENDER UM AMIGO AGARRO UM TIGRE A UNHA. AGRADEÇO A TODOS QUE DEIXAM SEU RECADO, POSTADO NESTE BLOG.

GALPÃO GAUCHO

GALPÃO  GAUCHO

A BANDEIRA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL, TE AMO MEU RIO GRANDE

A  BANDEIRA  DO  ESTADO  DO  RIO GRANDE  DO  SUL,  TE  AMO  MEU  RIO  GRANDE

quarta-feira, 15 de junho de 2011

PRESSÃO DO MAGISTERIO DO RS.

PRESSÃO DO MAGISTÉRIO
Postado por abamfbm on junho 15, 2011 in Geral, Todas notícias | 0 Comentario
Piratini avalia que Cpers não é capaz de derrubar pacote

Enquanto sindicato pede que deputados não votem medidas, governo está confiante na aprovação
Ao fim do dia de paralisação do magistério, ontem, o governo avaliou que o Cpers não terá força para derrubar o pacote de medidas que será votado na Assembleia. Apesar de o sindicato contabilizar adesão de 70% das escolas à manifestação, a Secretaria de Educação afirma que o movimento foi minoritário e não mobilizou 20% das instituições de ensino estaduais.

Ontem, integrantes dos núcleos do sindicato em Porto Alegre, São Leopoldo e Gravataí fizeram vigília em frente ao Palácio Piratini. Na Assembleia, entregaram a líderes das bancadas um documento pedindo que não votem as propostas chamadas de medidas de sustentabilidade financeira.

– O dia de hoje mostrou a disposição da categoria de se mobilizar contra esse pacote que retira direitos dos trabalhadores – disse a presidente do Cpers, Rejane de Oliveira.

Em Porto Alegre, a Secretaria de Educação contabilizou que, das cerca de 40 escolas estaduais, seis pararam parcialmente e uma totalmente. Na região das coordenadorias de Santa Maria, Pelotas, Passo Fundo e Erechim, a adesão chegou a 75% e, na de Carazinho, foi de 100%. No restante do Estado, a participação dos professores teria sido minoritária, segundo dados parciais do órgão.

Para o secretário de Educação, Jose Clovis de Azevedo, a adesão não é maior porque os projetos não “atingem o professor”:

– O movimento é minoritário. O que eu estranho é que seja fora de foco. Os pobres lutando pelo direito dos ricos, algo meio inédito.

O Cpers, no entanto, lista, além de temores futuros relacionados à previdência (veja quadro), a limitação imediata no pagamento de precatórios de pequeno valor. O tema teria apelo na categoria já que os professores compõem boa parte dos credores de RPVs.

Os professores planejam ato com outros servidores no dia 22. No mesmo dia, farão uma assembleia para discutir se haverá nova paralisação nos dias de votação do pacote.

O chefe da Casa Civil, Carlos Pestana, diz estar confiante na aprovação:

– As manifestações não irão alterar a posição da base do governo. As medidas atingem somente 13% dos servidores do Executivo, e os professores não serão atingidos.

VIVIAN EICHLER

Estado descarta retirar urgência

Apesar de o governo ter maioria na Assembleia, deputados do PP, PSDB, PMDB, PPS e DEM decidiram insistir na retirada do regime de urgência dos projetos que fazem parte do pacote enviado por Tarso Genro à Assembleia. Ontem, o grupo almoçou junto e traçou estratégias de oposição.

O chefe da Casa Civil, Carlos Pestana, afirmou que o governo não cogita de retirar a urgência nos projetos (somente o texto da inspeção veicular seguirá o ritmo normal). A única possibilidade seria se surgisse alguma proposta que amenizasse os problemas da previdência e que tivesse um apoio mais amplo do que a enviada pelo governo.

– Como não há propostas que avancem nesse sentido, essa possibilidade está descartada – avalia o secretário.

O governo pretende debater as emendas de deputados e deve votar o pacote na primeira semana de julho.

Multimídia
■Propostas polêmicas
ZERO HORA

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Arquivo do blog