TRANS. DO PROGRAMA ENTARDECER NA FRONTEIRA DIRETO PECUARIA EM 19/11/2009

TRANS.  DO  PROGRAMA ENTARDECER NA FRONTEIRA DIRETO  PECUARIA EM  19/11/2009
ALDO VARGAS

TRADIÇÃO E CULTURA

teixeirinha

Loading...

gildo

Loading...

SANTANA LIVRAMENTO MINHA TERRA AMADA.

SANTANA LIVRAMENTO MINHA TERRA  AMADA.

Pesquisar este blog

CAPITAL GAUCHA PORTO ALEGRE

CAPITAL GAUCHA  PORTO ALEGRE

ESTADIO BEIRA RIO PORTO ALEGRE

ESTADIO BEIRA RIO PORTO ALEGRE

TROPEIRO VELHO

  • TROPEIRO VELHO

TRADIÇÃO E CULTURA

A VOCE CARO VISITANTE E UM PRAZER TER AQUI VISITANDO ESTE BLOG DESTE GAÚCHO, QUE NÃO TEM LADO PARA CHEGAR, GOSTO DE UMA AMIZADE E UM BOA CHARLA, TRATO TODOS COM RESPEITO PARA SER RESPEITADO MAS SE FOR PRECISO QUEBRO O CHAPEU NA TESTA PRA DEFENDER UM AMIGO AGARRO UM TIGRE A UNHA. AGRADEÇO A TODOS QUE DEIXAM SEU RECADO, POSTADO NESTE BLOG.

GALPÃO GAUCHO

GALPÃO  GAUCHO

A BANDEIRA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL, TE AMO MEU RIO GRANDE

A  BANDEIRA  DO  ESTADO  DO  RIO GRANDE  DO  SUL,  TE  AMO  MEU  RIO  GRANDE

terça-feira, 17 de maio de 2011

POLICIA MILITAR DE SANTA CATARINA, FAZ BICO

ESTA E A REALIDADE DE TODAS AS POLICIAS DO BRASIL MAL PAGAS MENOS A DO DISTRITO FEDERAL ESTA SIM TÁ BEM DE DINHEIRO NÃO PRECISA FAZER O CHAMADO BICO.
Postado por abamfbm on maio 16, 2011 in Seg. Pública, Todas notícias | 4 Comentarios
Alguns policiais esticam a jornada de trabalho em empresas privadas e deixam a farda em segundo plano

Um funcionário trabalha 12 ou 24 horas direto e depois do seu turno troca de roupa e parte para uma segunda jornada, chegando a ficar quase 72 horas sem dormir.

O motivo para tanto desgaste é conseguir um dinheiro a mais no final do mês. Este exemplo não se trata de um trabalhador comum, mas faz parte do dia a dia de diversos policiais militares de Joinville. A prática, além de ilegal, põe em risco a saúde dos servidores e a segurança das pessoas comuns.

Um policial que há dez anos está na Polícia Militar de Santa Catarina aceitou conversar com a reportagem na condição de ter o anonimato garantido. Ele não abre mão dos serviços fora do plantão porque, conta, compensa muito mais do que as horas extras como policial.

— É algo comum. Todo mundo sabe que todo mundo faz — comenta.

Não somente os colegas sabem, como criam uma rede para arranjar os trabalhos.

— Há os que organizam e distribuem os serviços — revela.

Os bicos são os mais variados. Há opções para trabalhar em casas noturnas, bares, postos de combustíveis, indústrias, relojoarias e lojas de shopping. Mas o mais rentável são as escoltas de caminhões ou de valores, onde se chega a faturar R$ 250 por dia.

O comando da 5ª Região, responsável por Joinville, afirma não saber destes casos. Segundo o coronel Cantalício Oliveira, nenhum funcionário público, seja policial militar ou não, pode trabalhar fora das instituições, exceto no magistério e na área de saúde.

— Não é comum recebermos estas denúncias — diz o coronel.

Para a Associação de Praças de Santa Catarina (Aprasc), a solução para o problema está relacionada diretamente à questão salarial.

— Na teoria é proibido, mas o Estado é conivente. É intencional porque não precisa (com os “bicos”) dar aumento para os policiais. Se eles não fizerem estes trabalhos fora, passam fome — afirma o vice-presidente da regional Norte da associação, Elisandro Lotin.

Serviço extra em R$

Saúde mental em riscoO excesso de pressão por causa da profissão de policial, aliado ao trabalho extra e às vezes ao uso de drogas, tornam alguns policiais militares verdadeiras bombas-relógios emocionais. O psiquiatra Ronaldo Bezerra da Silva, que trata de soldados em Joinville e em São Francisco do Sul, afirma que o trabalho já coloca à mostra muitos transtornos psiquiátricos e que os “bicos” atuam como um despertar, um gatilho para depressão, fobia e transtorno bipolar.



— Começa com pouco, mas vai aumentando. Quando se coloca nesta situação voluntariamente, há mais estresse e aumenta a possibilidade de desenvolver transtorno. Não é raro ver os policiais se queixando de irritabilidade, impaciência. Perdem a noção de zelo e começa a aparecer o pensamento de morte — descreve o psiquiatra.

O resultado de todos estes fatores, segundo ele, é a diminuição da tolerância, dando brecha para os incidentes com atos violentos envolvendo policiais.

O policial entrevistado fica em média 48 horas sem dormir e, no dia da entrevista, afirmou que nas 72 horas anteriores descansou somente por seis horas.

— Acabo dormindo quando estou na PM. E quando vou trabalhar fico intolerante, estressado. Levo tudo para o lado pessoal — relata.

E não é só isso. Assim como seus colegas, em alguns momentos, depois de muitas horas sem dormir, começa a alucinar, ver vultos e a perder a noção se atendeu ou não às chamadas.

Os relatos do PM são explicados por Ronaldo Bezerra.

— Depois de 24 horas sem dormir, o cansaço físico é tão grande que você não pensa direito, não consegue ter diálogo, tem esquecimento. Em alguns casos, começa a ter alucinação. O cansaço cria alterações no funcionamento dos neurônios — diz.

Drogas para ficar acordadoTer uma jornada de mais de dois dias sem dormir não é simples. Para se manter tanto tempo acordado, alguns policias usam de muitos artifício como guaraná, café, anfetaminas e até cocaína.



Segundo o psiquiatra Ronaldo Bezerra da Silva, o uso de drogas torna esses PMs ainda mais ansiosos, nervosos e irresponsáveis.

— Elas pioram a parte física (aumentam a chance de ter AVC, entre outras doenças) e também acordam doenças psiquiátricas. As anfetaminas, por exemplo, acordam a esquizofrenia — explica.

E na hora de trabalhar, o impacto será terminantemente negativo, já que, segundo o médico, o discernimento fica alterado e há possibilidade de erros nas abordagens.

O policial personagem desta reportagem sabe das implicações de ficar tantas horas sem dormir, mas garante que o impacto financeiro é grande se mantiver os trabalhos fora da corporação. Se hoje ele recebe cerca de R$ 2,1 mil, incluindo abono e vale-alimentação, o trabalho como segurança privado rende mais de R$ 3,5 mil.

Ilegal para os PMs e para as empresasA prestação de serviço a empresas privadas por policiais militares está repleta de irregularidades, seja por parte dos servidores, que não podem prestar serviços fora das instituições públicas, quanto para o contratante, que deixam de pagar os direitos trabalhistas como INSS, FGTS, férias e 13º salário.



O promotor da Justiça Militar de Santa Catarina Sidney Dallabrida, defende que a função de policial militar é inconciliável com a de segurança privado. Além disto, os dias de folga são garantias de que os PMs poderão fazer a função pública “de acordo com a expectativa social”.

Segundo Dallabrida, o policial que for pego prestando serviço para empresas recebe um processo por transgressão disciplinar, que pode resultar na perda do cargo e expulsão. Mas, segundo ele, a corporação faz “vistas grossas” há muito tempo sobre esta prática. Toda a semana ele recebe denúncias destes casos, mas as punições ficam somente em nível administrativo que, segundo o promotor, está abaixo do esperado.

— Deveria ter um cuidado maior. Com isso, abrem-se as portas para o policial atuar em atividades que deveria combater, como bingos e caça-níqueis. Além disto, se trabalhar na folga vai sofrer desgaste e não vai trabalhar como o mesmo vigor — explica o promotor.

Fora isto, ele também levanta a questão de que o policial às vezes trabalha em favor de empresas usando viaturas e equipamentos do governo.

Mas as implicações legais também chegam às empresas que contratam. O chefe da fiscalização da Superintendência Regional do Trabalho e Emprego, Adelmo Miranda, afirma que se o empregador estiver com um policial prestando serviços de segurança pode ser autuado. Cada empregado sem registro rende multa de R$ 500.

Quem promete inspecionar as relações de trabalho entre o PMs seguranças e empresas é o Sindicatos dos Vigilantes de Joinville. O presidente Sílvio Kammer irá percorrer principalmente as casas noturnas da cidade para verificar se os seguranças são vigilantes devidamente treinados e contratados para isto, ou se são policiais fazendo “bicos”. A partir de quarta-feira, ele inicia esta jornada usando imagens de circuitos internos para usar como provas.

Tentativa de oficializar serviço extraSem sucesso, o ex-governador Leonel Pavan tentou implantar um sistema para regulamentar o “bico” em Santa Catarina. Mas, segundo ele, recebeu rejeição dos próprios PMs.



— Hoje é totalmente ilegal, sem critério. Nesta iniciativa, o governo compraria o horário de folga do policial. Com isso, ele faria a segurança de empresas usando a farda e os equipamentos do Estado — explica Pavan.

E as empresas que depositariam o dinheiro num fundo, para depois ser rateado entre os soldados.

— Seria legalizar o que já acontece hoje — defende.

O deputado Amauri Soares, foi um dos contrários à ideia.

— É um absurdo. Ele queria privatizar a polícia. Quem pagasse poderia ter o policial no horário de folga — lamenta.

A ideia importada por Pavan do modelo norte-americano não chegou a virar projeto e nem foi para a Assembleia Legislativa de Santa Catarina. Em contrapartida, no Rio de Janeiro, o governador Sérgio Cabral decretou o Programa Estadual de Integração na Segurança, que nada mais é do que um “bico” regularizado.

Neste programa, cada policial recebe R$ 150 por turno de prestação de serviço, mas sem impactar no salários e nos benefícios trabalhistas, como INSS, FGTS, férias e 13º salário. O trabalho é feito nas horas de descanso entre um plantão e outro.

A NOTÍCIA
Subscribe to Comments RSS Feed in this post
4 Responses

Um comentário:

  1. A realidade das policias brasileiras assim vamos ter segurança só DEUS SABE QUANDO.

    ResponderExcluir

Arquivo do blog